Notícias

CIOs do governo dos EUA enfrentam desafios de consolidação dos Data Centers

Por Kenneth Corbin, para a CIO Magazine.

Os CIOs federais (dos EUA) enfrentam pressão para consolidar a infraestrutura do centro de dados de seus órgãos. Esses desafios vão além de TI e especialistas aconselham os CIOs a desenvolverem planos estratégicos para que a consolidação possa melhorar a entrega de aplicativos e suportar prioridades, como computação em nuvem e virtualização.

Essa foi a mensagem aos altos funcionários da esfera de TI do governo estadunidense durante um painel de discussão sobre como maximizar o retorno sobre o investimento reformando os data centers federais, o que significa milhares de instalações.

Não é simplesmente arrumar um conjunto de servidores e realizar a instalação em outro local. Os líderes de TI do Governo salientaram que qualquer data center não pode ser exclusivamente uma iniciativa orientada para TI. O processo deve implicar um compromisso com as linhas de negócios da agência, eles dizem. “Quem são todos os diferentes stakeholders? Obviamente, os proprietários do sistema de negócios, aqueles que têm sistemas e aplicativos que residem no data center”, diz Darren Ash, CIO da Comissão Reguladora Nuclear.

Data Center consolidation complica quando os orçamentos caem, mas as exigências não!

A Casa Branca, em 2010, instruiu as agências governamentais  a fazerem um inventário de seus ativos de data center e desenvolver um plano para diminuir custos, utilizando tecnologias mais eficientes, como a computação em nuvem e a virtualização.

O número total de data centers do governo federal dos EUA aumentou consideravelmente, com estimativas agora pairando em torno de 7 mil instalações. A OMB atribuiu o aumento, em parte, a uma mudança na forma como o governo (EUA) define um data center, mas alguns críticos no Congresso questionaram as agências por não contabilizarem com precisão os seus ativos de TI e desenvolverem de forma muito lentas as suas iniciativas de consolidação.

O potencial de redução de custos, melhorando a eficiência, é o cerne da iniciativa federal considerando a consolidação dos data centers. A iniciativa pode cortar gastos em várias frentes, incluindo o uso de energia, os custos de capital de manutenção, das instalações físicas e da força de trabalho necessária.

Esta iniciativa assume uma urgência num momento em que as agências federais estão operando com orçamentos restritos e a crescente demanda por serviços. “Temos que descobrir como fazer mais com menos, certo? O governo tem menos dinheiro, mas os requisitos não estão diminuindo”, diz Chris Howard, vice -presidente de vendas federais da Nutanix. “As exigências estão crescendo a cada dia, então como é que vamos reduzir o impacto global e ainda manter o apoio e eficácia do que estamos entregando como uma aplicação de missão crítica?”, questiona o executivo.

Consolidação dos Data Centers federais parte de um esforço maior de TI

No entanto, a economia de custos não se concretiza reduzindo os dados, se uma agência não está funcionando com um plano estratégico para alcançar a eficiência. Howard se lembra de um órgão do governo que teve seus esforços de consolidação frustrados. Essa agência, ele diz, começou com centenas de data centers, e depois de fechar 49 deles, descobriu que “não tinha economizado um centavo.”

“Tem que ser mais do que simplesmente dizer, ‘OK , esse local pode ser desligado, vamos movê-lo daqui até aqui ‘”, diz ele. “Você tem que ter um bom plano – e sem um bom plano, vai ser um movimento de um lugar ruim para outro”, acrescenta.

Nesse contexto, Howard argumentou que os CIOs devem abordar os seus esforços de data center como um veículo para apoiar outras iniciativas de TI orientada a negócios. Junto com a directiva de consolidação da OMB, a Casa Branca também instruiu os CIOs para priorizarem os sistemas de computação em nuvem, expandir o uso de tecnologias móveis em suas agências e publicar mais conjuntos de dados do governo em um formato aberto, legível por máquina, entre outras áreas de foco.

Howard descreve estas iniciativas como “bastante coesa”, acrescentando: “Obviamente, essas são abordagens novas e inovadoras para fazer negócios.”

“Uma vez que você decide transformar seu data center, não trate-se apenas de encolher os dados. Esse é um aspecto, mas há eficiência que deve ser explorada em todo o projeto”, Howard diz , que vão desde como uma agência entrega os aplicativos para consumidores finais a como extensivamente virtualiza os seus processos e se ela usa os serviços de nuvem pública ou privada. “Estes são todos os pensamentos que passam em sua agenda global de transformação. Se eles não estão fortemente amarrados, então você provavelmente vai perder uma quantidade enorme de eficiência.”

Ou como diz o Ash: “fazemos TI orientada por missões”.

Kenneth Corbin é escritor em Washington, EUA, e abrange questões governamentais e regulatórias para CIO.com.