Cases

Fleety inicia as suas operações no Rio de Janeiro no dia 4 de abril

Atualmente, o serviço está disponível em Curitiba, São Paulo e Florianópolis. “O preço de aluguel de carros no Fleety costuma ser cerca de 50% menor do que o cobrado por locadoras”, diz André Marim, CEO do site. “Como quem aluga não tem custos com manutenção de frota e funcionários, é mais fácil cobrar um valor menor. Esse custo mais baixo é o grande diferencial do serviço”.

Entenda como funciona:

De acordo com recente publicação da Revista Auto Esporte, “um relatório divulgado pelo The Boston Consulting Group (BCG), empresa de consultoria em estratégia de negócios, mostra que o serviço de compartilhamento de carros veio mesmo para ficar e deve crescer para se tornar um negócio de 4,7 bilhões de euros (R$ 20,4 bilhões) até 2021, considerando América do Norte, Europa e Ásia. Hoje, o rendimento é de 650 milhões de euros (por volta de R$ 2,8 bilhões) nessas regiões. Enquanto o crescimento pode assustar alguns fabricantes por uma possível migração de proprietários de veículos para esses serviços, o grupo acredita que o impacto nas vendas deve ser pequeno, com queda de 1% daqui a cinco anos.

O compartilhamento de carros faz parte do conceito de economia compartilhada em que os usuários não são os donos dos produtos, mas pagam uma taxa para utilizá-los por um período. Aplicativos como Uber e Lyft tem um princípio um pouco diferente – onde não é você quem dirige o veículo – e não entram na categoria.”

Leia a reportagem da Auto Esporte. 

Saiba mais sobre o Fleety.