Cases

Tribunal de Justiça de MS adota solução da Riverbed

TJ adquire 65 equipamentos visando otimizar sistemas do Poder Judiciário

Por Correio INFO

O Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul foi destaque em nível nacional, em decorrência de seu pioneirismo na conclusão da adoção do processo digital e, agora, mais uma vez, desponta na área de TI com sistema de comunicação eficiente e com alto desempenho no acesso às aplicações, garantindo boa produtividade aos magistrados e aos demais profissionais do Poder Judiciário. A tecnologia que gerou benefícios foi a “Technology Riverbed SteelHead ”.

O Tribunal de Justiça (MS) adquiriu 65 equipamentos da Riverbed (appliances Steelhead), a fim de otimizar a comunicação do TJ com as unidades judiciais localizadas na Capital e no interior do Estado, instalando um appliance em cada site. Com isso, o TJ conseguiu propiciar performance no SAJ (Sistema de Automação Judiciária) e aplicações para o funcionamento do Poder Judiciário.

O Steelhead proporciona recursos para virtualização de servidores, contando com um VMWARE ESXi nos appliances, o que permitiu à equipe de TI remodelar a infraestrutura local de cada uma das suas unidades judiciais, virtualizando todos os serviços locais,
deixando-as mais eficientes.

A Tecnologia da Riverbed proporcionou a segurança para a implantação do processo digital e de outros serviços adotados pelo Judiciário sul-mato-grossense, como: mídia servers nas unidades, possibilitando o recurso de gravação de audiências, sistemas de e-learning da Escola Judicial, rádio institucional e notícias em vídeos.

Na área de infraestrutura de TI, o Riverbed Steelhead permitiu a centralização dos servidores de aplicações, BD e backup que estavam distribuídos em sites, em virtude de uma má performance dos links de comunicação. Os recursos permitiram a virtualização de
servidores e serviços locais, diminuindo a quantidade de equipamentos para a operação dos sites.

Essa nova estrutura de TI gerou uma sensível redução de custos para o Tribunal de Justiça (MS), pela eliminação do serviço de manutenção, que, anteriormente, era frequente para dar suporte aos 220 equipamentos (de 3 a 4 equipamentos por site, servidores de aplicação e backup) em funcionamento nas unidades judiciais e em razão da diminuição de consumo de banda junto às operadoras de Telecomunicação, que permitiu manter os contratos sem mitas alterações desde então.